23/12/2003

Já é Natal na beira dos trilhos

O apito funciona como um sinal que hipnotiza e a cada movimento da locomotiva mais e mais crianças, que parecem surgir do nada, tomam conta dos arredores dos trilhos. Já é Natal, pelo menos para as meninas e meninos que moram em comunidades carentes cortadas pela ferrovia Tereza Cristina. Na manhã de ontem, uma locomotiva partiu de Tubarão abarrotada de presentes e balas, para distribuir aos pequenos. Em Criciúma o trem chegou por volta das 11 horas e atraiu moradores dos bairros Paraíso e Tereza Cristina. “Quero ver o Papai Noel e pedir uma boneca de borboleta com cabelo comprido”, foi o pedido da pequena Ester Macarini, de apenas quatro anos de idade. Após ganhar uma boneca dos papais-noéis que estavam no trem ela não cabia em si de tanta alegria. “Agora vou brincar com ela, estou muito feliz”, dizia. A mãe dela e de outros três irmãos, Natalina Macarini, agradecia a atitude. “Isso é muito bonito, eles passam dando presentes e balas deixando as crianças alegres”. Para os funcionários da ferrovia, já virou compromisso fazer o Natal dos carentes mais feliz. Somente esse ano foram arrecadaram cerca de três mil brinquedos entre balas, carrinhos e bonecas. “É cada vez mais chocante realizar essa ação. A expectativa é sempre maior e a alegria das pessoas também”, destaca o Papai Noel oficial do grupo, Erminio Tontini, de Tubarão. Ferroviário aposentado, ele participa há dez anos da distribuição de brinquedos. “A festa é para toda a família pois todos ficam bem”. A ação solidária só é possível com o envolvimento dos funcionários e parceiros da ferrovia que colaboram com as doações. Após Criciúma, a locomotiva voltou para Tubarão com a certeza do dever cumprido. As crianças agradecem. “Achei a boneca linda e estou muito alegre”, declara a menina Priscila Silva Mendes.

Fonte: Tatiani Longo / Jornal da Manh

LEIA TAMBÉM

11/11/2005

Acervo do Museu Ferroviário recebe nova locomotiva

. . .

20/07/2019

O carvão mineral é muito importante nas plantações

. . .

19/10/2017

Existe saída para a logística brasileira?

. . .