02/06/2006

Gargalos ameaçam investimentos, diz ANTF

Se os gargalos de infra-estrutura mais urgentes não forem solucionados a médio prazo, as concessionárias ferroviárias do País irão chegar a um nível de saturação a partir do qual não mais poderão crescer. Por outro lado, de acordo com um estudo da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), caso algumas medidas sejam tomadas nesse período, a participação do modal na matriz de transporte nacional poderá até crescer, passando a responder por 36% até 2016 ante os 26% atuais. A avaliação foi feita ontem pelo presidente da ANTF, Mauro Dias, durante entrevista coletiva promovida pela entidade na Capital, na qual foram avaliados os dez primeiros anos de arrendamento das linhas férreas nacionais. ‘‘Se não resolvermos esses gargalos não adianta fazer mais investimento em vagão porque a malha ficará saturada e (consequentemente) a produtividade irá cair’’, afirmou Dias. Em 1996, as empresas de transporte ferroviário começaram a assumir o controle de 11 malhas que saíram das mãos do Governo Federal, especificamente da Rede Ferroviária Federal (RFSSA). Desde então, o investimento das companhias foi de R$ 9,5 bilhões. Enquanto isso, o aporte da União não passou de R$ 500 milhões (pouco mais de 5%). Para este ano, as empresas do setor prevêem gastar R$ 2,35 bilhões com a aquisição de vagões e locomotivas, entre outros, devendo fechar o ano com uma média de 10% de crescimento sobre o volume transportado no exercício anterior. De acordo com o estudo produzido pela ANTF, o cumprimento de uma agenda básica — que vai da melhoria da infra-estrutura até a padronização de tributos entre estados — poderá garantir que em 2016 a ferrovia responda por 36% da fatia do bolo do transporte nacional. Em países de dimensões continentais como as do Brasil (caso dos Estados Unidos, da Rússia e da China), essa representatividade chega a 42%. Cerca de 85% das cargas que passam por ramais férreos do País são de comércio exterior, daí a importância do aumento do market share ferroviário, avaliou Mauro Dias. Em 1997, quando do início das operações da iniciativa privada na malha da RFFSA, esse montante era de 20%. Ações Na maior parte das reivindicações listadas pela ANTF, a participação do poder público é essencial. A entidade advoga, por exemplo, um regime específico de tributação que não onere a cadeia logística. Segundo o presidente da Associação, às vezes um sistema intermodal deixa de ser implantado porque o custo com os impostos nas diversas etapas de uma cadeia de transporte torna inviável esse modelo. Não é à toa que enquanto nos EUA há aproximadamente 25% de transporte intermodal, no Brasil esse índíce não chega a 2%. Para Mauro Dias, ‘‘o mundo ideal’’ é aquele no qual o custo tributário entre ‘‘um ponto A’’ e ‘‘um ponto B’’ seja o mesmo se houver — ou não — troca de modais. Também as obras que dependem, até certo ponto, da burocracia estatal são necessárias para aumentar a participação da ferrovia na matriz de transporte. O diretor-executivo da ANTF, Rodrigo Vilaça, afirmou que o cenário mais positivo leva em conta a construção do Ferroanel (anel ferroviário que irá circundar a Região Metropolitana de São Paulo). Sem falar na eliminação das invasões urbanas nas faixas de domínio dos trilhos, conforme ocorre em diversas cidades. Balanço Ainda conforme dados divulgados ontem pela ANTF, de 1997 a 2005 houve um aumento de 62% na produção, que passou de 137 bilhões de TKUs (unidade equivalente a uma tonelada transportada por um quilômetro rodado) para 222 bilhões de TKUs. ‘‘Um crescimento de 6,2% ao ano, mais do que o PIB (Produto Interno Bruto) do País’’, comparou Mauro Dias. Em dez anos de concessão, as empresas aumentaram em 55% o volume de carga transportada, passando de 253 milhões de toneladas para 392 milhões de toneladas. Somente no ano passado, houve um crescimento de 7% no total de mercadorias transportadas por ferrovais no País, que movimentou (basicamente exportou) 392 milhões de toneladas em 2005 ante 367 milhões de toneladas em 2004.

Fonte: A Tribuna - Baixada Santista

LEIA TAMBÉM

18/04/2006

Outra escola tubaronense recebe voluntários do Paz na Linha

. . .

14/12/2006

FTC é reconhecida publicamente pelos serviços prestados

. . .

01/07/2015

Denatran pode fazer campanha educativa sobre acidentes em ferrovias

. . .