03/01/2022

Termelétricas a carvão produzem 40% da eletricidade consumida no planeta

Empresas se modernizam e projetam futuro em que o carvão terá papel estratégico na obtenção de energias limpas

 

Antes do surgimento da Covid-19, a economia mundial vinha de duas décadas de avanços notáveis. Embora o crescimento econômico tenha sido interrompido de forma brusca em alguns momentos, como o da crise financeira de 2008-2009, ocorreu uma expressiva redução da desigualdade – a parcela da população global abaixo da linha da pobreza passou de quase 27% em 2000 para menos de 10% nos levantamentos mais recentes do Banco Mundial.

 

A internet e a proliferação dos computadores e smartphones conectou povos e nações, mudando radicalmente a forma como as pessoas trabalham, se comunicam e se divertem. Em vários momentos dos últimos 20 anos, países como o Brasil – agora qualificados como economias em desenvolvimento – ajudaram a sustentar o crescimento internacional. O PIB per capita global praticamente dobrou, chegando a quase 11 mil dólares.

 

O aumento da renda média e a expansão econômica puxaram um crescimento de 75% no consumo de energia em 20 anos, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE). Dificilmente tudo isso teria se sustentado sem o carvão mineral, fonte de quase 40% da energia elétrica gerada no planeta. Dá para entender a razão de tamanha relevância.

 

Complexo Jorge Lacerda com atividades mantidas até 2040

O carvão proporciona uma geração de energia segura, confiável, facilmente posta à disposição nos momentos em que houver mais necessidade para as empresas e para a população e, considerando essa lista de atributos, a um custo relativamente baixo. Por trás de cada estatística que mostra uma evolução, existem milhares de vidas que em vários aspectos foram transformadas para melhor.

 

“Não podemos pensar o carvão mineral de forma dissociada da economia e do meio ambiente”, disse Michelle Manook, presidente da Associação Mundial do Carvão, na abertura do 6º Congresso Brasileiro de Carvão Mineral, realizado de 29 de novembro a 3 de dezembro.

 

O carvão tem um papel estratégico no sistema elétrico brasileiro

No Brasil, geograficamente agraciado com um vasto potencial hidrelétrico, o carvão tem menor participação na matriz energética, mas nem por isso é menos importante. As termelétricas a carvão brasileiras hoje somam uma capacidade de geração de aproximadamente 3,02 gigawatts, dos quais quase 30% concentrados no Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo, no sul catarinense. Essas usinas socorrem o sistema elétrico brasileiro nos momentos de escassez de água nos reservatórios e, mais recentemente, quando o crescente número de parques geradores eólicos e solares não têm condições de suprir a demanda de eletricidade.

 

O que esperar para as próximas décadas?

Os compromissos internacionais relacionados ao controle do aquecimento global e à mudança climática pressionam para diminuir a participação do carvão na produção de energia. As projeções da COP26, a Conferência Global das Nações Unidas para o Clima, realizada na virada de outubro para novembro em Glasgow, na Escócia, prevê uma significativa perda de participação do carvão na matriz elétrica até 2050.

 

No entanto, sua importância atual para movimentar as empresas, iluminar as cidades e energizar os lares indica que o carvão mineral continuará tendo um papel estratégico. Assim como ocorre no Brasil de hoje, o carvão será essencial para assegurar o futuro do fornecimento de eletricidade nos momentos em que não houver disponibilidade das fontes renováveis.

 

Uma corrida tecnológica rumo à transição energética

Tudo isso compõe a chamada transição energética para um cenário em que as emissões de gases causadores do aquecimento global, como o dióxido de carbono, precisarão ser neutralizadas ou compensadas. O futuro das termelétricas a carvão passa pela adoção de tecnologias como a de captura, armazenamento e utilização de carbono (CCUS, na sigla em inglês), que retém o CO2 produzido pela queima do combustível antes que seja emitido pela atmosfera. Diversos países, entre os quais o Brasil, assumiram o compromisso de tirar de operação até 2050 as termelétricas que não compensam suas emissões.

 

“O Brasil pode mostrar ao mundo que os objetivos climáticos e o desenvolvimento econômico não são mutuamente excludentes”, disse Manook. “Para as cadeias globais de valor do carvão mineral, é a hora da união para dar suporte a um futuro verde por meio de tecnologias de carvão limpo”, completa.

 

Existe uma corrida tecnológica em aceleração. De seus resultados dependem o futuro da energia mundial –além da segurança de aproximadamente 7 milhões de trabalhadores que atuam diretamente na mineração de carvão mundo afora e o desenvolvimento das regiões mineradoras, como é o caso do Sul de Santa Catarina.


Fonte: Portal Litoral Sul

LEIA TAMBÉM

24/01/2022

Ferrovias: empresas disputam com projetos de trajeto idêntico

. . .

16/05/2011

Governo planeja investir R$ 7 bi em segurança ferroviária

. . .

05/04/2006

Ferrovia desenvolve programação especial no Dia Mundial da Saúde

. . .